Lavanda melhora os sintomas da menopausa, aponta estudo brasileiro

O fim do período reprodutivo traz um turbilhão de mudanças na vida das mulheres, que enfrentam sintomas físicos e psíquicos. Distúrbios do sono, por exemplo, podem causar impactos diretos na qualidade de vidas delas após a menopausa.

Na fase pós-menopausa, que ocorre 12 meses após o último ciclo menstrual, seis em cada dez mulheres reclamam de insônia e má qualidade de sono, sintomas que podem gerar quadros de depressão e ansiedade. A queda da produção de hormônios também pode levar a ondas de calor, suores noturnos e secura vaginal.

Um estudo brasileiro apresentado no Congresso Americano de Medicina do Sono, em Indianápolis (EUA), na última terça-feira (6/6), traz evidências de que a aromaterapia com óleo essencial de lavanda associada a técnicas de higiene do sono contribui para melhorar a qualidade de vida das mulheres no período da menopausa.

De acordo com a autora do estudo, a médica Helena Hachul, do Instituto do Sono, os elementos que formam a estrutura química do óleo essencial de Lavandula angustifolia têm efeitos hipnóticos e ansiolíticos.

“A inalação de óleo essencial de lavanda aumenta a atividade das ondas alfa associadas ao eletroencefalograma e ao relaxamento”, diz a médica.

Ao mesmo tempo, a substância reduz a atividade das ondas beta, frequentes durante a vigília, sugerindo os benefícios da indicação para tratar distúrbios de sono, ansiedade e estresse.

Como o estudo foi realizado

O estudo foi feito com 32 mulheres no período pós-menopausa que se queixavam de insônia. Elas foram divididas em dois grupos: 17 inalaram óleo essencial de Lavandula angustifólia durante quatro semanas antes de dormir; as outras 15, do grupo placebo, inalaram óleo de girassol no mesmo período.

Todas aprenderam técnicas de higiene do sono para aplicar durante o dia, incluindo: definir um horário para dormir e acordar, não consumir bebidas estimulantes e alcoólicas até seis horas antes de dormir, dar preferência a alimentos leves no jantar, limitar a prática de exercícios físicos até quatro horas antes de dormir e ficar longe das telas como celulares, televisão e tablets uma hora antes de dormir.
Fonte: Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *